Logo Nova Clínica

Hélicobacter Pylori

Infecção pelo Hélicobacter pylori

O H. pylori, é uma bactéria espiralada (gram-negativa com actividade urease positiva), localizada no lúmen do estômago, em contacto com o epitélio de superficie, tendo pela primeira vez sido descrita pelos australianos, Warren e Marshall em 1983. É responsável por inflamação aguda e crónica da mucosa. A infecção é habitualmente contraída nos primeiros anos de vida (infância) e tende a persistir indefinidamente a menos que seja tratada. A sua prevalência é maior em idades mais avançadas e em classes sócio-económicas mais baixas. Pelo menos 50% da população mundial está infectada pelo H. pylori. O microorganismo consegue viver no meio ácido do estômago, em parte devido à sua forte actividade urease + que lhe permite converter a ureia presente no suco gástrico em amónia alaclina e dióxido de carbono.

A infecção pelo H. pylori é um cofactor no desenvolvimento de três importantes doenças gastrointestinais: úlcera duodenal e gástrica (em 1 a 10% dos pacientes infectados), cancro gástrico (em 0,1 a 3%) e Linfoma MALT (em < 0,01%). O risco destas doenças varia grandemente entre populações estudadas. A maioria dos pacientes com infecção pelo H. pylori não desenvolverão quaisquer complicações clinicamente significativas. Quando surgem sinais ou sintomas devido à infecção, podem incluir:

  • Uma sensação de dor ou queimadura no estômago
  • Nauseas
  • Vómitos
  • Eructações (arrôtos)
  • Sensação de inchaço ou aumento do abdómen
  • Emagrecimento

 

Testes e procedimentos utilizados para determinar se existe infecção pelo H. pylori:

  • Testes de sangue. A análise de anticorpos no sangue é muito utilizada, contudo, é incapaz de distinguir uma infecção activa ou antiga pelo H. pylori. 
  • Teste respiratório com ureia marcada com o Carbono 13. Durante um teste respiratório, é deglutido um comprimido que contém moléculas de carbono radioactivas (13C). Se existir infecção, o carbono radioactivo é libertado no estômago por acção do H. pylori. O estômago absorve o carbono radioactivo o qual é posteriormente exalado pelos pulmões durante a expiração e recolhido em tubos para ser analisado. É um teste não invasivo, extremamente eficaz ("gold standard") para detectar a infecção pelo H. pylory (95% de especificidade e sensibilidade) e para monitorizar a terapêutica efectuada e confirmar a cura.
  • Teste nas fezes.  permite detectar antigénios fecais associados ao H. pylori nas fezes. 
  • Testes endoscópicos. Durante a endoscopia são realizadas biópsias para detectar o H. pylori nos tecidos do estômago.

 

Preparação para o Teste Respiratório:

  • Jejum absoluto pelo menos seis horas antes do exame.
  • Caso tenha tomado antibióticos nos últimos 8 dias, avise ao médico. O teste provavelmente terá que ser adiado por 15 dias. Caso tenha ingerido medicação à base de bismuto associado a antiácidos, sulcralfato ou Omeprazole, o exame terá que ser adiado por duas semanas.